Thumbnail

O Angra é uma banda brasileira de heavy metal, que ficou conhecida pela mistura do heavy metal com a música clássica e influências progressivas.

Rafael Mendes

Rafael Mendes

Rafael Mendes é CEO da RP Trader.

Mercado da música

Made in Brazil: conheça as táticas de vendas e expansão internacional de uma das maiores bandas de heavy metal do mundo, o Angra

21/07/2023 12:20
Hoje, trazemos no tema Made in Brazil, algumas informações sobre a banda Angra, a partir de uma conversa com o baixista e sócio da banda Felipe Andreoli. O Angra é uma banda brasileira de heavy metal, que ficou conhecida pela mistura do heavy metal com a música clássica e influências progressivas. Foi formada em São Paulo, em 1991, ou seja, são 32 anos de história, dos quais 22 foram também vividos por Andreoli, como baixista.
Hoje, o Angra está produzindo seu décimo disco. Além disso, nesses anos, o grupo já ganhou Disco de Ouro, vendeu mais de 1 milhão de cópias, apresentou-se em grandes festivais pelo mundo, com um público de mais de 70 mil pessoas. Para Felipe, considerando o estilo da banda não ser tão popular no Brasil, o maior big number é justamente ela ter se mantido viva há tanto tempo. Ter 32 anos de história é algo espetacular!
Sobre a citação do Angra no título de uma matéria que destacava três bandas brasileiras mais famosas que Anitta no exterior, perguntamos ao baixista a respeito da expressividade do Angra no exterior e pedimos que ele citasse alguns números relativos a esse aspecto.
Para Andreoli, a fama citada na matéria se dá pelo tempo em que a banda é conhecida. Isso porque, para ele, por cantar um estilo mais popular, em um single, a Anitta atingiria muito mais pessoas do que uma música do Angra. Apesar disso, ele reconhece que o Angra é realmente uma das bandas brasileiras mais conhecidas no exterior, embora dentro de um nicho mais específico.
Ele afirma que, nas turnês com 100 a 120 shows, em geral, quase metade acontecem fora do Brasil. No Japão, inclusive, a banda ganhou um Disco de Ouro, além de se apresentar pela Europa e América Latina. Isso, no entanto, também demonstra a relevância da banda em seu país de origem. Afinal, metade dos shows acontecem em território nacional.
Uma curiosidade que Felipe traz é que o cenário de shows no Brasil é diferente do de outros países. Por exemplo, aqui, os shows lotam com 5 a 6 mil pessoas, enquanto em outros países, os espaços comportam um número menor de pessoas, chegando a 1 mil a 1,5 mil geralmente. Como já afirmado, isso nada tem a ver com o tamanho do prestígio da banda aqui ou em outros lugares. No Japão, por exemplo, como afirmamos, a banda é muito famosa e prestigiada. Os japoneses gostam muito do heavy metal.
Em relação aos eventos realizados, são vendidos produtos da banda, além dos discos em si. Andreoli afirma que o merchandising nesse segmento funciona muito no momento dos shows. Há produtos de valores variados, mas a venda acontece principalmente quando os fãs estão emocionados e mais ainda admirados por estarem assistindo a um show como o do Angra.
Esses produtos vão desde camisetas até a possibilidade de tocar com os integrantes da banda. A partir da compreensão de que os fãs da banda estão dispostos a adquirir produtos de valores variados, foram pensados vários níveis para que também a variedade do público fosse atendida.
É um dado impressionante que o Angra, com seus 32 anos de atuação no mercado, tem um índice de retenção de clientes, que são os fãs, altíssima, o que traz uma questão importante do sucesso da união entre a parte empresarial e a artística. As pessoas gostam da música do Angra e compram seus produtos. E, nesse sentido, para Felipe, a separação entre a parte empresarial e artística é difícil, e todo músico deveria ter esse olhar empresarial também. Tudo o que eles fazem, questões burocráticas e outras ações mais empresariais, tem como objetivo a divulgação do seu maior bem, que é a música, a experiência. É através dela que os produtos passam a ganhar o interesse do público e são vendidos. Ou seja, a empresa e a arte estão conectadas em um ciclo muito virtuoso.
Obviamente, esse olhar para a arte em primeiro lugar chega a se tornar, também, um instrumento de divulgação. Por exemplo, no último disco gravado, o Angra fez a divulgação de vídeos de todo o processo de pré e produção, desde o brainstorm, passando pelo processo criativo, até momentos mais descontraídos, de conversas informais, por exemplo. Apesar de se tornar uma forma de divulgação muito frutífera em termos empresariais, Felipe destaca que, nesses momentos que são mais relacionados ao lifestyle, o foco também é a arte e a música do Angra.
A respeito dos passos para vender produtos nacionais fora do país, há, claro a facilidade da internet, mas, ainda assim, as vendas no Brasil são maiores. Andreoli destaca a importância de não negligenciar o público de outros países, citando a comunicação por meio das redes sociais, gravadoras, agências e assessores de imprensa, sempre considerando as particularidades e as nuances de cada público em diversos países onde a banda se apresenta. Dessa forma, há sim um esforço extra para engajar e conquistar o público do exterior.
O Angra acabou de fazer uma turnê incrível dos 20 anos do Rebirth, vai gravar o DVD Acústico e divulgou o novo álbum “Cycles Of Pain”. Para gerenciar um portfólio de produtos e ser lucrativo, é preciso ser consciente no sentido de avaliar a lucratividade e a força do posicionamento. Se nenhum dos dois fatores for atendido, deve-se reavaliar a oferta de determinados produtos oferecidos no portfólio.
Para entender melhor essa afirmação, o que Felipe quer dizer é que algumas vezes vale a pena priorizar a divulgação, o marketing, pensando no crescimento da marca, ainda que isso não traga resultados financeiros diretos. Ao mesmo tempo, para fazer isso, é preciso avaliar se a empresa tem fôlego financeiro para bancar essas decisões menos lucrativas. A dificuldade é gerenciar um grande número de produtos sem perder de vista a arte, que, como já afirmado, é o grande foco do Angra.
Por fim, para construir uma marca profissional forte, Felipe parte do princípio de que sempre deve entregar o melhor possível do que se propõe a fazer na sua área de atuação, em seu caso ser o melhor baixista em termos de performance, de equipamento. Além disso, ele vê a credibilidade como outro fator importante, ou seja, a banda e os músicos devem cumprir com o que é falado, ter uma imagem boa com o público, de alguém que sabe se portar e não se envolve em tantas polêmicas, por exemplo. Em terceiro lugar, a consistência potencializa o alcance da banda. Esse é o combo irresistível para ser visto e lembrado.
Como uma última dica para músicos que querem ver sua banda crescer no mercado, Andreoli diz que é essencial observar o que as pessoas estão buscando ver, o que elas querem é o que a sua banda deve entregar. Claro, sempre o foco deve ser a sua arte, mas as adaptações ao que o público busca é essencial também para crescer no mercado.

Enquete

Estes são os temas mais procurados em relação a cursos sobre inteligência artificial no momento. Se você tivesse que escolher um deles, qual seria sua opção?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão