Thumbnail

Com crescimento desacelerando, China deixará de ser o país mais populoso do mundo em 2027. O posto será ocupado pela Índia.

Andre Inohara

Andre Inohara é cofundador e CEO da Inovasia, consultoria de educação executiva que ajuda empresas brasileiras a se conectar aos modelos mais disruptivos de negócios na Ásia. Antes de criar a Inovasia, André atuou como assessor de comunicação na Amcham, a Câmara Americana de Comércio para o Brasil, e ajudou a criar o conteúdo multiplataforma da entidade. É jornalista e administrador, com MBA em Informações Financeiras pela FIA (Fundação Instituto de Administração) e pós-graduação em Comunicação Digital pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing).

Coluna

O “bônus demográfico” da China está acabando; problemas à vista?

20/05/2021 12:00
A China está ficando mais madura. Há menos pessoas nascendo e, com isso, a proporção de chineses mais velhos está crescendo. A média de crescimento da população foi 0,54% em 2020, um pouco abaixo da taxa de 2010 (0,57). Além de menos jovens, a proporção de chineses acima de 60 anos subiu 18,7%. Com isso, a população economicamente ativa (em idade para trabalhar) deve encolher nos próximos anos, colocando um fim ao “bônus demográfico” que a China aproveitou tão bem nas últimas décadas.
A chegada de menos jovens à idade ativa e o surgimento de mais idosos decreta que um dos pilares do desenvolvimento chinês está com os dias contados. Esse bônus demográfico consiste basicamente na janela de crescimento econômico de um país que acontece quando há, proporcionalmente, maior número de pessoas em idade ativa para trabalhar e inovar.

Gigante

Por excepcionais questões demográficas e econômicas, a China
se tornou o único país do mundo a atingir a marca de 1 bilhão de usuários de internet
dentro de seu território.
Nos 9,6 milhões de km² da China existe a maior infraestrutura
de comunicações da humanidade. Centenas de milhares de antenas e bases de banda
larga passam por regiões desenvolvidas, como Xangai e Pequim, e chegam até as
mais remotas, incluindo o Tibete e o Himalaia chinês.
A inclusão digital de 1 bilhão de pessoas representa 71% da população total, que hoje chega a 1,4 bilhão. Apesar de ainda haver espaço para crescimento, especialistas afirmam que esse mercado passou da fase de expansão e caminha para a saturação.
Os dados constam no mais recente censo demográfico da China, divulgado no começo de maio pelo Escritório Nacional de Estatísticas – o IBGE local.
Comparado ao censo de 2010, a China revela uma mudança de perfil demográfico que vai influenciar diretamente o ritmo de crescimento da economia e a dinâmica dos negócios.

Encarar a mudança

A China foi um dos países que melhor aproveitou a vantagem
do bônus demográfico para crescer muito. Agora que ele está deixando de existir,
as empresas terão que se preparar
para os efeitos da mudança
de perfil populacional. Levará algum tempo para isso acontecer, mas ecossistemas
importantes de inovação chineses serão cada vez mais desafiados a se adaptar à
nova realidade.
Startups de internet em Pequim e fábricas de smartphones em Shenzhen, por exemplo, terão pela frente o desafio crescente de renovar e atrair a mão-de-obra essencial para desenvolver tecnologias e negócios.
Em algum momento do futuro próximo, os custos de contratação vão aumentar.
Se faltarem trabalhadores, será preciso aumentar os salários para que novos sejam atraídos. Se isso não acontecer, as grandes empresas certamente vão transferir linhas de produção para países vizinhos em estágios anteriores de desenvolvimento, como Vietnã e Índia.
Um efeito preocupante é o que deve acontecer sobre os
trabalhadores não qualificados. Aplicativos de carona e de entrega de comida
são extremamente dependentes dessa mão-de-obra barata, que hoje é muito disponível.
Fato é que, com a mudança populacional dos próximos anos, será preciso
reavaliar a forma de fazer negócios nesse setor.

Novos desafios e oportunidades

Tão logo a fase de expansão de mercados e a base de usuários se consolidar em um futuro próximo, virá a necessidade de ganhar eficiência.
A procura por ferramentas de produtividade e desenvolvimento de fábricas inteligentes no setor manufatureiro, especialmente nos segmentos intensivos em mão-de-obra, está se aquecendo.
O mercado de software como serviço (SaaS, na sigla em
inglês) é um dos mais promissores. Em 2019, o mercado chinês de SaaS movimentou
19,4 bilhões de renminbi (US$ 3 bilhões) e, em seguida, cresceu 34,2% em 2020.
As projeções para 2021 são de manutenção do ritmo.
A automatização industrial também tem mostrado crescimento na China. Conforme o IDC, o mercado de robotização e automação deve crescer 64% até 2023. Em 2020, esse mercado valia US$ 1 bilhão.
O setor de cuidados médicos é um dos que vão se desenvolver
muito em função do envelhecimento populacional. Empresas de saúde, como a líder
WeDoctor (da Tencent), JD Health e Medlive estão entre as preferidas do público
atualmente devido sua destacada atuação durante a pandemia de 2019.

E o Brasil?

Diante da transformação econômica das últimas décadas, é indiscutível que a China soube aproveitar a sua janela demográfica para gerar riqueza e desenvolvimento.
Um país que passa por essa fase tem mais força de trabalho do que pessoas inativas, criando um excedente de pessoas para produzir, inovar, pagar impostos e gerar riqueza.
Lamentavelmente, o Brasil não aproveitou a sua janela de bônus demográfico. Em 2023, a população economicamente ativa deve começar a decair em consequência do aumento de pessoas idosas deixando o mercado de trabalho.
Ter desperdiçado a chance de criar excedente econômico via bônus demográfico não significa que estaremos condenados ao subdesenvolvimento. Mas se nada for feito para reverter a tendência de atraso e falta de projetos de crescimento, o Brasil vai continuar envelhecendo antes de ficar rico.

Enquete

Imagine a possibilidade de criar vídeos realistas com ferramentas de inteligência artificial, como o Sora. Você teria interesse em utilizar uma ferramenta como essa no futuro?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão