Thumbnail

Vale a pena para a minha empresa vender no novo marketplace da Shein Brasil?

Rafael Mendes*

Vale a pena para a minha empresa vender no novo marketplace da Shein Brasil?

25/10/2022 19:40
No texto de hoje, vamos mostrar para você como vender no novo marketplace da Shein Brasil e se vale este é um canal que vale a pena para a sua empresa. Isso porque a Shein se tornou um dos sites de vendas mais acessados do país e agora oferece a oportunidade para novos vendedores.
Para quem ainda não conhece, a Shein é uma empresa asiática de varejo que existe desde 2008. Seus produtos vão desde itens de vestuário femininos e masculinos, até itens de decoração e papelaria. É uma variedade enorme de produtos ofertada pela marca tanto de produção própria como de parceiros terceirizados. Antes, as peças que a empresa vendia ainda não eram produzidas por ela, mas fornecidas por atacadistas. Só em 2016, ela começou a produzir peças com a etiqueta da marca, além de melhorar sua cadeia de suprimentos, visando trabalhar apenas com fornecedores de imagens e produtos de maior qualidade. A mudança de estratégia, unida a uma nova estratégia de review, pontuação e gamificação da plataforma, e o uso de influenciadores, levou a Shein a se tornar, no final de 2020, a maior empresa de moda online do mundo.
A presença da marca no Brasil vem crescendo. Prova disso é que em 2022, produtos de fornecedores nacionais passaram a ser vendidos e entregues pela empresa. A novidade agora é que lojistas brasileiros podem disponibilizar e vender seus produtos no site e aplicativo da Shein. Ou seja, considerando a relevância da marca e a importância de aumentar os seus canais de venda e, consequentemente, o seu faturamento, é interessante avaliar se este é uma boa escolha para a sua empresa. Isso porque o público alcançado nesse caso já é fiel à Shein e confia que o que ela oferece é bom, portanto, a imagem da sua empresa já se vincula a uma grande marca naturalmente e o resultado é o aumento das suas vendas.
Sabendo de tudo isso, é importante saber o que é necessário para começar a vender nessa nova plataforma de marketplace. Para começar, são autorizados os cadastros de tanto de pessoa física como de empresas, o que amplia as possibilidades se você ainda não tem um CNPJ.
No entanto, o nosso foco será no cadastro de empresas, que devem apresentar licença comercial, identidade do representante, CNPJ, nome da empresa e informações de contato. Além disso, também são exigidas algumas imagens do seu espaço de produção, depósito, escritório e fachada da loja, se houver loja física. Tudo isso passará pela aprovação da Shein, que analisará a quantidade de produtos e o faturamento da empresa cadastrada. Isso significa que quem está começando e tem uma produção pequena não será aprovado, apenas os empresários que já têm o seu negócio validado e rodando.
Em se tratando de valores, caso a sua empresa seja aprovada, os novos vendedores têm 90 dias de isenção de taxa por enquanto, ou seja, o custo é zero. Depois desse período, o valor cobrado pela Shein é 10% de comissão sobre cada venda realizada pela plataforma. Vale ressaltar que os marketplaces, em geral, cobram um valor bem acima desse, apesar de sabermos que esses valores de comissão se alteram frequentemente. A comissão cobrada é, como dissemos, sobre o preço de cada mercadoria, descontados os valores de cupons e outras ofertas, como a Flash Sale.
Sobre os benefícios oferecidos, há um espaço para a criação de campanhas exclusivas, que potencializam a visibilidade dos produtos. Além disso, o cliente pode parcelar seus pagamentos em até 6 vezes sem juros ou escolher pagar suas compras com PIX, boleto e cartões de débito e crédito.
Como nada é perfeito, elencaremos alguns dos pontos negativos do marketplace da Shein. Como destacamos anteriormente, ela não é para quem está começando no e-commerce e não tem grande quantidade de oferta de produtos. Pode-se dizer também que ela não será adequada a quem não vende produtos mais comuns vendidos pela plataforma, relacionados à moda, decoração e papelaria. Outro ponto é que boa parte do que é anunciado é vendido por um preço abaixo do que se encontra no mercado brasileiro, o que justifica, inclusive, sua popularidade no país. Por isso, é essencial que, antes de se decidir por vender na Shein, a margem de lucro que será alcançada. Afinal, um canal de venda só deve ser escolhido se, além de vendas, gerar lucro para a sua empresa.
Portanto, diante do que apresentamos sobre as vantagens e desvantagens do marketplace da Shein, você é, agora, capaz de avaliar se este é um bom canal para a sua empresa, se anunciar os seus produtos nessa plataforma é viável e será lucrativo, se os resultados em vendas e lucro valerão a pena.
*Rafael Mendes é CEO da RP Trader.

Enquete

Imagine a possibilidade de criar vídeos realistas com ferramentas de inteligência artificial, como o Sora. Você teria interesse em utilizar uma ferramenta como essa no futuro?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão