Thumbnail

Para onde caminham os investidores?

Alexandre Quinze*

Investimentos

Para onde caminham os investidores?

19/08/2022 19:55
Investir em startups é algo sempre arriscado. Claro que em momentos de escassez de capital no mercado ou mesmo em tempos de aumento de taxas de juros com incertezas econômicas, esse bom humor de investidores tão usual ao mercado acaba sofrendo um pouco. Afinal, estamos no segundo semestre de 2022 e ainda temos pela frente diversos desafios com eleições e previsões não tão animadoras para o primeiro trimestre de 2023, com perspectivas de baixo crescimento, segundo analistas do setor.
Neste contexto, assistimos empresas desacelerando seus investimentos em startups, ou mesmo vendendo as participações como foi o caso recente do Softbank com a retirada de participações na Alibaba e Uber, entre outros. Os investidores estão de fato sofrendo com as instabilidades, mesmo com aquelas startups caracterizadas com performance de crescimento exponencial. E no mundo da tecnologia isso está acontecendo de forma mais acentuada.
Investimentos agressivos em empresas que nem sempre estavam bem alinhadas na equação de geração de valor podem trazer resultados aquém das expectativas e muitas vezes serem especulativos. Grandes inovações devem transformar e gerar valor de verdade para os setores da economia e não apenas prometer grandes mudanças sem análises aprofundadas sobre suas potencialidades.
É claro que não podemos ignorar a situação econômica desequilibrada, mas dentro de um “beabá” de investimentos em startups deveria estar o reconhecimento sobre os valores que serão entregues por essas empresas e não apenas suas promessas de escalabilidade financeira, visto que esse resultado vai depender dos propósitos dessas empresas.
O fato é que o ecossistema de inovação no país passou por um ciclo vertiginoso, conforme aponta o relatório Brazil Digital Report 2022, recentemente publicado pela MCKinsey na conferência Brazil at Silicon Valley. De acordo com o estudo, só em 2021 investiu-se o equivalente à soma de todos os anos anteriores juntos, dobrando o número e negócios e com a presença de capital internacional, além do nacional.
Não é muito fácil reconhecer a startup que realmente vai “criar raízes” na inovação, mas alguns pontos extras na avaliação dos investidores precisam ser considerados: investidor menos paciente com a relação lifetime value (LTV) versus custo de aquisição do cliente (CAC) e a garantia de um caixa maior; pressão crescente sobre o tempo para testarem, errarem, corrigirem, testarem novamente, etc, natural para o desenvolvimento dessas empresas, mas cada vez mais reduzido, para que entreguem o quanto antes resultados tangíveis, com menos recursos e pessoas; exigência de uma gestão cada vez mais profissional, assim como a análise do engajamento e maturidade dos sócios; e por fim o temido Vale da Morte, etapa que define o espaço entre o lançamento e o sucesso em termos de caixa. As mudanças de rota comuns neste período estão restritas e a pressão cada vez maior para saírem dessa etapa o mais rápido possível.
Segundo o Relatório da CBInsights existem pontos em comum em startups que falham. Além da falta de capital (em 38% dessas empresas), entre as três causas principais, estão ainda a não necessidade de existência, ou seja, a ineficiência de sua atividade no mercado, que aparece como a segunda maior causa de falências em startups, com 35% das empresas e o got outcompeted, em 20% das startups, que significa que o negócio em si estimado foi superado, pode estar ultrapassado.
Dessa forma, muito mais do que avaliar o valuation da startup (valor de mercado), seus diferenciais ou escalabilidade financeira, é fundamental entender o perfil de seus fundadores e os propósitos que os levaram a criar o negócio. Será mesmo que a startup vai entregar valor? Essa resposta também pode estar conectada com o tempo da empresa no mercado.
Logo, startups mais maduras, com maior experiência, inclusive em rodadas de investimentos, podem ser as mais interessantes porque a perenidade sobre a entrega de seus valores como negócio podem ser mais impactantes no mercado. Vale prestar muita atenção à nova norma da CVM sobre o crowdfunding, Resolução 88 que altera os pontos de atenção nas rodadas de investimentos.
Quando falamos sobre o mercado de proptechs e construtechs, o cenário para investimentos é otimista. Segundo o 6º Mapa de Construtechs e Proptechs da Terracotta Ventures,  mesmo com a desaceleração no número de startups, a tendência segue de crescimento. De maio de 2021 a maio de 2022, houve aumento de 13,82% em construtechs e proptechs ativas, com rodadas de investimentos que movimentaram R$ 5,83 bilhões. A pesquisa mostra que das 955 ativas, 64,58% são proptechs e 35,42% construtechs. A grande aposta está nas empresas que realmente podem transformar o setor, com tecnologias capazes de entregar valor resolvendo questões latentes do mercado e da sociedade.
O propósito é, sem dúvidas, o motor para alavancar o futuro dos investimentos em startups. Convido à reflexão de Tom Gardner, da Motley Fool, “Encontre líderes notáveis e uma missão para o longo da vida”. É disso que se trata: valor, eficiência e longevidade.
Alexandre Quinze é o co-founder e CEO da TruTec. Formado em Engenharia pela Universidade de São Paulo (USP), com especializações em Supply Chain, na Universidade da Califórnia, em Inovação Tecnológica, na Universidade Estadual de Campinas, e MBA em Administração, na Fundação Getúlio Vargas (FGV), instituição na qual é professor há mais de 11 anos. Possui sólida experiência, com mais de 30 anos, em empresas nacionais e internacionais de grande porte, como Philips, Rimini Street, PwC Brasil, CBMM e Flextronics Internacional.

Enquete

Imagine a possibilidade de criar vídeos realistas com ferramentas de inteligência artificial, como o Sora. Você teria interesse em utilizar uma ferramenta como essa no futuro?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão