Thumbnail

Camila Farani

Lego

Case Lego: da quase falência à liderança do mercado

15/03/2020 10:00
A experiência de transformação da empresa dinamarquesa Lego é realmente incrível. A companhia passou de uma quase falência na última década para a liderança na fabricação de brinquedos em todo o mundo — à frente inclusive da sua maior concorrente, a Mattel. Em 2019, de acordo com matéria publicada pelo site Fast Company, a empresa alcançou lucros de US$ 273 milhões no primeiro semestre e receita de US$ 2,03 bilhões.
#mc_embed_signup{background:#fff; clear:left; font:14px Helvetica,Arial,sans-serif; width:100%;}
/* Add your own Mailchimp form style overrides in your site stylesheet or in this style block.
We recommend moving this block and the preceding CSS link to the HEAD of your HTML file. */
Isso
foi possível porque a empresa resolveu apostar na inovação como estratégia de
recuperação e crescimento. Digo isso pois, em 2003, a Lego se encontrava muito
próxima da falência, consequência de uma série de erros que poderiam ter sido
evitados e que foram cruciais para que a empresa se reinventasse.
Arrisco dizer que os erros aconteceram por uma gestão desencontrada. Vale lembrar que além da experiência em gestão, que é imprescindível, o gestor precisa contar com habilidades que vão além do conhecimento técnico: ele precisa estar identificado com a marca e seus produtos, concordar e compartilhar da cultura e valores da empresa. Precisa estar engajado e vestir a camisa.
Um dos resultados mais significativos para a gestão desalinhada foi a falta de foco: a empresa passou a diversificar sua linha de produtos e serviços, mas sem clareza de para onde estava caminhando e sem saber com qual público consumidor estava trabalhando nem o que ele desejava. Criaram-se, por exemplo, parques temáticos e programas de televisão. Ao que parece, tudo feito visando novos mercados, mas sem planejamento adequado, sem estratégia, sem metas definidas.
O resultado não poderia ser diferente: houve um desperdício de esforços, tempo e dinheiro, uma vez que a diversificação exige mais investimentos, maior infraestrutura, aumento na mão de obra, elevando os custos de maneira geral. Mais do que isso, a empresa se afastou do seu DNA original, perdeu sua identidade, criando uma lacuna entre ela e seus consumidores, além de fazer com que a Lego perdesse seu valor no mercado.
A recuperação só foi possível quando a empresa apostou na mudança e encontrou um gestor apaixonado pela marca que teve coragem de pivotar projetos que não estavam dando certo, voltando seus esforços para aquilo que a Lego sabia fazer de melhor. A empresa voltou a ter foco em brinquedos, porém de uma forma totalmente atraente e inovadora. Com isso, ela foi capaz de reconquistar a conexão com os seus consumidores. Não deve ter sido uma tarefa fácil.
Utilizando conceitos muito utilizados por startups mundo afora, a Lego apostou em novas metodologias que deram mais agilidade ao negócio e tornaram a experiência cliente/empresa mais colaborativa.
Exemplo disso é o seu Futuro Lab, um laboratório de inovação responsável por criar e produzir protótipos de brinquedos - fabricados em pequena quantidade e que, antes de ganharem escala no mercado, são validados pelo público. É uma ideia genial, pois a chance de colocar no mercado um produto que não terá aderência diminui consideravelmente.
O
objetivo do laboratório é identificar oportunidades de crescimento e garantir
que a marca fique à frente da concorrência, criando coisas que ainda não foram
feitas sem comprometer, entretanto, negócio principal da instituição. E, para
isso, conta uma equipe de profissionais altamente engajada, identificados com a
marca e que respiram inovação no dia a dia.
Outra aposta bem atraente é o Lego Ideas, que permite que qualquer pessoa participe do processo de criação por meio de uma plataforma disponível na internet. Na plataforma, a empresa criou um espaço para que o usuário envie sugestões de novos produtos e ainda possa se tornar um fã-designer.
A empresa incentiva que os usuários da plataforma coloquem seus pensamentos em prática, criem ideias atraentes e deem vida a elas com peças da marca. É uma forma fantástica de engajar o público, mantendo-os ativos e se tornando espécies de embaixadores da marca.
Isso tudo mostra que, no mercado tão acirrado e em constante transformação, ganha quem tiver coragem de pensar fora da caixinha. Ideias inovadoras e disruptivas são condição sine qua non para quem quer se manter competitivo. Manter a tradição da marca e ser inovadora ao mesmo tempo é possível, porém é preciso de coragem.

Enquete

A inteligência artificial está transformando rapidamente aspectos da sociedade. Como você percebe o impacto da IA em nossas vidas?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão