Thumbnail

Sede da Special Dog Company na cidade de Santa Cruz do Rio Pardo, interior de São Paulo.

GPTW SP

Special Dog Company é a melhor empresa grande para trabalhar no interior de SP

Filipe Albuquerque
09/09/2022 01:00
A Special Dog Company é a melhor empresa para trabalhar entre as de grande porte no interior de São Paulo. Produtora de alimentos para animais de estimação, a companhia conquistou o primeiro lugar no ranking Great Place To Work 2022, dividido entre Capital/Região Metropolitana e Interior.
Hoje, a empresa está entre as três maiores do país no setor, com cerca de 39 mil pontos de venda e 60 mil entregas por mês em sete estados mais Distrito Federal. Com sede na cidade paulista de Santa Cruz do Rio Pardo, a Special Dog Company saltou, em nove anos, de 375 colaboradores para os atuais 1366. “A empresa sempre se preocupou em proporcionar um ambiente acolhedor, em buscar as melhores práticas e benefícios e colocar as pessoas em primeiro lugar”, destaca Fábia Azevedo Carvalho, psicóloga e gerente de Recursos Humanos da empresa. No ano passado, a corporação ocupou o 22º lugar no ranking das 150 melhores empresas para trabalhar do GPTW Brasil.
Se a pandemia colocou um ponto de interrogação imenso na cabeça de todo mundo, a melhor maneira de trabalhar para acalmar cada colaborador e oferecer segurança foi conversar. Para isso, a Special Dog criou os ‘Quadrados de Conversa’. Com uma consultoria externa de uma psicóloga, realizou nove encontros cujo objetivo era falar sobre sentimentos. Todos os gestores participaram da programação. “A consultora dava uma pincelada nos sentimentos, como dor, angústia, medo, temas que nada tinham a ver com o trabalho, e foi muito bom. Tiramos o gestor da posição de herói”, lembra Fábia.
A executiva reforça que a ideia do projeto foi permitir que um pudesse acolher a dor do outro, já que todos se sentiram assustados com o que aconteceu nos últimos dois anos devido à covid-19. “Houve até casos de reconciliação de gestores que não se davam bem”, destaca. A empresa repetiu o trabalho com o grupo de analistas e a ideia é fazer novamente este ano.

Comunicação reforçada

No cuidado com o indivíduo, a companhia intensificou a comunicação, algo que já havia identificado que poderia melhorar. Com a insegurança causada pela pandemia, viu as notas no GPTW caírem de acima dos 90 para próximo de 80. A empresa manteve todo o corpo de funcionários, não demitiu ninguém durante a crise sanitária, e ainda fez contratações. O período foi bom para os negócios, mas exigiu demais dos colaboradores. Assim, para incrementar o diálogo interno, a Special Dog Company foi buscar um especialista em comunicação, que constatou que as áreas poderiam ser mais unidas. Deste diagnóstico, surgiram cinco encontros com todas as áreas, em que as pessoas saíam com o objetivo de refletir sobre o assunto.
Para tratar do tema, a empresa presenteou líderes com o
livro ‘Empatia Assertiva – como ser um líder incisivo sem perder a humanidade’,
de Kim Scott, e deu um tempo para que as pessoas pudessem ler e absorver as
ideias da obra. Quatro encontros já foram realizados para discutir e aplicar
tarefas relativas ao tema. Em novembro, a empresa realiza um workshop interno
para tratar sobre comunicação não violenta. “Quando você aumenta a comunicação
no ambiente de trabalho, o clima melhora, tudo melhora”, constata a gestora.
Também durante a pandemia, a empresa adotou a ideia do CEO itinerante. De modo digital, o principal líder da companhia trazia informações aos funcionários por meio de vídeos curtos. Foi uma maneira encontrada pela área de gestão de pessoas para ganhar mais engajamento de toda a equipe.
Fábia Azevedo Carvalho, diretora de Recursos Humanos da Special Dog Company: busca por melhora na comunicação deu resultado
Fábia Azevedo Carvalho, diretora de Recursos Humanos da Special Dog Company: busca por melhora na comunicação deu resultado

Benefícios

Durante anos, a Special Dog Company oferecia benefícios iguais a todos, independentemente do grau hierárquico. O RH entendeu, no entanto, que os gerentes estavam carregando uma carga pesada demais não só de trabalho, mas também emocional –os cargos de liderança respondem pelas metas estabelecidas pela empresa. A área promoveu então a primeira confraternização só com gestores, gerentes e coordenadores, que ganharam um cartão de multibenefícios.
Para incrementar o atendimento ofertado pelo plano de saúde dos funcionários, a empresa cadastrou três psicólogos da cidade para o atendimento, porque percebeu que a operadora não estava dando conta da demanda nesse tipo de serviço. Durante seis meses, a empresa arcou com parte dos custos das consultas, com objetivo de permitir que os funcionários pudessem ter um acompanhamento em um período de tensão causado pela pandemia. O benefício agradou todo o time, e foi mantido.
“Estamos revendo também o plano odontológico da equipe”,
informa Fábia. “E eles haviam pedido para mudar a bandeira do vale-alimentação,
para que pudessem acessar mais estabelecimentos. Acabamos de fazer a troca”,
acrescenta.

Empoderamentofeminino

A Special Dog Company assinou o pacto da ONU (Organização das Nações Unidas) cujo objetivo é ter 30% das mulheres  na liderança até 2025. Para isso, tem trabalhado o tema empoderamento feminino constantemente. Hoje, a companhia conta com seis diretores homens e duas mulheres. Nos cargos de gerentes e supervisores, são 63 homens e 15 mulheres.
Com um programa chamado 'Mulheres no Topo', atua junto às mulheres em cargo de analista com encontros e avaliação de perfil. Cada encontro conta com um tema específico voltado para carreira, conhecimento e também sobre machismo no ambiente de trabalho. A participantes ganham sessões de mentoria feitas por psicólogas e, no final, fazem um plano de desenvolvimento individual, que é entregue ao gestor da área.
“Estamos nessa luta para aumentar mulheres na empresa, sensibilizar o público masculino e feminino, trabalhando a questão do machismo estrutural com palestras e encontros”, reforça a diretora.
“Em nossas pesquisas do GPTW, constatamos que todo o ano, o principal pilar da empresa é o orgulho”, ressalta Fábia. “As pessoas gostam de trabalhar aqui, e constantemente indicam familiares para vagas que são abertas”, conclui.

Enquete

Imagine a possibilidade de criar vídeos realistas com ferramentas de inteligência artificial, como o Sora. Você teria interesse em utilizar uma ferramenta como essa no futuro?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão