Thumbnail

Deborah Folloni, CEO e fundadora da adtech Chili Gum.

Startups

Startup automatiza vídeos publicitários e reduz custo de produção em até 80%

Aléxia Saraiva
08/07/2020 20:33
A produção de qualquer vídeo publicitário não envolve poucas etapas. Ela inicia com o orçamento, passa pela pré-produção – que envolve roteiro, aluguel da locação, contratação dos profissionais e do elenco; vai para o set de filmagem, com a captação das cenas e, por fim, chega à pós-produção: edição de cor, de som e o desdobramento dos vídeos para os mais diversos formatos, como Instagram, Facebook, Youtube, televisão.
Foi para tornar esse processo de desdobramento escalável que nasceu a Chili Gum, startup de publicidade (adtech) criada por Deborah Folloni em 2015, que automatiza a criação de vídeos a partir de dados estruturados. Para isso, cada cliente sobe um modelo de vídeo pronto que serve como base, além de uma planilha que contém todas as informações contidas nele – como nome do produto, foto, preço.
É a partir da variação desse conteúdo nos vídeos que a plataforma cria milhares de novas opções (vídeo). Depois de prontas, as peças são enviadas para as contas de anúncios dos clientes, que se encarregam da sua publicação e impulsionamento. Em 36 meses, a plataforma já criou mais de 6 milhões de peças.
Com isso, segundo Folloni, alguns de seus clientes aumentam sua produtividade em até 13 vezes; outros reduzem custos em até 80%. “A gente promove a criatividade automatizando tarefas que parecem criativas, mas que na verdade são mecânicas, copiando e colando informações. No digital, a produção se torna replicação – como fazer 50 versões do mesmo arquivo”, relata a CEO.

Aporte de R$ 2 milhões durantea pandemia

Hoje, a carteira da Chili Gum inclui empresas como Magazine Luiza e Rappi. Seu modelo de negócios é voltado a anunciantes de grande porte com larga produção de vídeos. No entanto, ela surgiu como plataforma voltada a pequenas e médias empresas (PMEs) com um investimento-anjo de R$ 600 mil realizado por Alexandre Badolato, em 2015.
#mc_embed_signup{background:#fff; clear:left; font:14px Helvetica,Arial,sans-serif; width:100%;}
/* Add your own Mailchimp form style overrides in your site stylesheet or in this style block.
We recommend moving this block and the preceding CSS link to the HEAD of your HTML file. */
Na sequência, Folloni mudou seu público-alvo para grandes empresas e passou a ter mais dois sócios: Leonardo Sales, cofundador da Movile, e Rogerio Benetti, cofundador das startups Fiveware, Icaptor e Elbruus.
Mas foi em meio à crise do novo coronavírus que a startup chamou a atenção de outros investidores. Em 25 de junho, a Chili Gum anunciou a captação de R$ 2 milhões dos fundos BR Angels e GV Angels.
Folloni em apresentação da Chili Gum para investidores da BR Angels no início de 2020.
Folloni em apresentação da Chili Gum para investidores da BR Angels no início de 2020.
Segundo Folloni, o investimento será voltado à fase “go-to-market fit” – transferir as vendas do produto das mãos dos sócios, que hoje correspondem a 80% do faturamento, para um time comercial que traga previsibilidade, escala e lucratividade. A ideia é aumentar o número de colaboradores de 15 para 34 até o fim do ano.
“Boa parte do investimento vai para montar uma equipe comercial e trazer canais de captação de clientes. Por outro lado, também vamos buscar fornecer soluções mais completa para clientes com relação a formatos e conexão a novas redes de anúncios”, relata.
E não é apenas a equipe que deve aumentar. Mesmo com a pandemia, a CEO prevê um aumento no faturamento anual de mais de 100% em comparação com 2019. Além disso, o futuro prevê o fortalecimento em países latinos. “A Chili Gum já atende clientes na América Latina. Nos próximos meses, devemos começar a fazer contratações para fincar nossa bandeira pela Latam”, pontua a CEO.

Enquete

A inteligência artificial está transformando rapidamente aspectos da sociedade. Como você percebe o impacto da IA em nossas vidas?

Newsletter

Receba todas as melhores matérias em primeira mão